sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Último final de semana para ver a Kiwi Companhia de Teatro com "Carne - Patriarcado e capitalismo"



CONVITE

Em junho de 2010 a Kiwi Companhia de Teatro iniciou o projeto Carne - Patriarcado e capitalismo. Foram realizadas 45 apresentações do trabalho cênico Carne em parceria com movimentos sociais, organizações populares, centros culturais, escolas e universidades, além de apresentações nos Centros de Cidadania da Mulher, Fundação Casa e para defensore-a-s público-a-s e promotoras legais populares. O projeto incluiu ainda a realização de ciclos de filmes, debates, intervenções urbanas, oficinas e do evento multiartístico festa & ideias. As atividades foram gratuitas e ocorreram principalmente em comunidades e bairros periféricos.

A última etapa do projeto, que tem apoio do Programa de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo, é a temporada no Teatro Coletivo, local de residência da Companhia. Sete semanas já foram realizadas, as últimas apresentações acontecem nos dias 19, 20, 21 e 26, 27, 28 de agosto (sexta a domingo).

Nossa proposta é compartilhar esta caminhada teatral, que tenta se construir em bases críticas e participativas. Para nós será um prazer recebê-lo-a-s! Como a lotação é de 60 pessoas e, felizmente, vários coletivos já agendaram suas presenças, pedimos que sejam feitas reservas pelos telefones ou pelo endereço eletrônico divulgados abaixo.



Equipe Kiwi Companhia de Teatro

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Companhia do Feijão estréia "Enxurro" nesta Sexta-feira dia 26.



Enxurro é uma rapsódia cênica criada a partir de estímulos literários, cênicos e musicais de diversos autores e épocas, em torno de temas relacionados ao momento de transição civilizatória por que passamos. Numa corrente caleidoscópica, entrecruzam-se de maneira simbólica: anomalias, assombros, cumplicidade, devastação, encontros, espelhos, inspirações, mentiras, poder, radicalismo, reação, reconstruções, reencontros, resistência e horizontes. Esboços de um vir-a-ser.

sábado, 13 de agosto de 2011

Trupe Artemanha ameaçada de perder espaço.

Ocupação e Resistência: Trupe Artemanha é ameaçada de perder espaço recém ocupado para abrigar a Escola Popular de Teatro - CITA e as Ações Culturais do Grupo.

Na data de 11 de agosto de 2011, recebemos a visita de uma equipe de Obras da Secretaria de Assistência Social e de representantes da construtora MAS (vencedora da licitação), estavam em posse da planta baixa do local, dizendo que pretendem até o fim deste mês derrubar o prédio para construir no lugar um futuro asilo, que o processo já estava aprovado pela Secretaria e inclusive sancionado pela Vice-prefeita Alda Marco Antônio.

Entenda o caso:
O espaço em questão está localizado na Rua Aroldo de Azevedo, 20, um barracão de madeira com cerca de 500m² que já chegou a funcionar como Subprefeitura do Campo Limpo durante muitos anos, e que depois serviu como sede do Instituto Oca e até o ano de 2009 para o Instituto Cultural Uboé. O local ficou abandonado por cerca de um ano, chegando a servir como sede para o CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) unidade Campo Limpo, que ocupou o local por apenas 45 dias até que sua nova instalação ficasse pronta, mudando-se para um prédio privado (custo mensal da locação R$ 8.000,00 - dinheiro proveniente dos cofres públicos), deixando uma herança para o espaço que passou a servir como depósito de patrimônios públicos abandonados como equipamentos, móveis e documentos. Neste curto tempo em que esteve no local, a equipe do CRAS que faz parte da Secretaria de Assistência Social, não realizou melhorias para o prédio que estava em situação caótica, com problemas de esgoto, água, luz, infestado por cupins e até sofrendo saques e arrombamentos constantes. Além de terem resolvido o problema de água e luz realizando ligação clandestina, já que as fiações estavam condenadas, correndo risco até de incêndio no local.
Em busca de um espaço para o desenvolvimento do Projeto da Trupe Artemanha de Investigação Urbana que atualmente baseia-se em três eixos de ações: 1º) Desenvolvimento de sua pesquisa teatral com ensaios e apresentações dos espetáculos abertos à população. 2º) Criação da Escola Popular de Teatro - CITA (Centro de Investigação Teatral Artemanha) e formação artística com oficinas culturais livres oferecidas a jovens e adultos. 3º) Acesso livre de espetáculos de várias cidades do país para população a partir de Projetos do ARTEMANHA RECEBE e FESTCAL (Festival Nacional de Teatro de Campo Limpo), que acontece a mais de 5 anos nos bairros do Campo Limpo.
Identificamos que este seria o melhor local para implantação do projeto “15 Anos Revelando Artemanhas” contemplado na 18ª Edição da Lei de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo.

Em conversas com a subprefeitura do Campo Limpo, chegamos ao acordo de ocupar o espaço para realizar as ações culturais do grupo, já que este se encontrava abandonado. Assim que entramos no espaço, demos início aos reparos de pintura, limpeza, higienização, compra de equipamentos, de materiais de construção (vasos sanitários, tintas, fios elétricos etc) e na organização do patrimônio ali abandonado em uma única sala. Pós mobilização e realização de mutirão para melhorias e reformas no espaço, eis que surge o interesse do poder público (Secretaria de Assistência Social) em implantar o seu projeto neste local, atualmente batizado como CITA (Centro de Investigação Teatral Artemanha) que já completa três meses de atividades de Escola-CITA, além de ser utilizado para os ensaios do grupo e com programação de oficinas livres para a comunidade. É importante ressaltar o apoio da Cooperativa Paulista de Teatro, de vários movimentos sociais, dos Diversos Grupos de Teatro da cidade de São Paulo, interior do Estado e de outros estados do Brasil e principalmente da população da região sul de São Paulo.

A Trupe Artemanha de investigação urbana declara que continuará ocupando artisticamente o Espaço Cultural - CITA e conclama a todos para ajudarem nesta luta que estamos travando desde que chegamos a este local que não é propriedade de uma Secretaria e sim, da população.

Cultura na Periferia é resistência e não benevolência!

11 de agosto de 2011.

Trupe Artemanha de investigação urbana
Escola Popular de Teatro - CITA
www.escolacita.blogspot.com